RUPTURAS E CONTROLE DE ESTOQUE                                         

                                                       

        Por Adriano Roberto Schinetz 
 

    O desempenho negativo da Economia Brasileira nos últimos dois anos está fazendo com que o varejo farmacêutico acate e tenha a consciência da vital importância de se ter uma administração mais profissional, seja ela tributária, financeira ou comercial. 

 

Dentro dessa profissionalização, um dos focos principais é a necessidade de uma gestão de estoque mais eficaz a fim de diminuir as perdas de vendas que são causa pelas rupturas de estoque. 

 

Atualmente é claro a efetiva necessidade de se obter um sistema de controle de estoque adequado de acordo com a atividade comercial de cada farmácia a fim de gerar uma diminuição nos custos com estoque (o imposto é pago na entrada do produto), uma melhora crescente na rentabilidade e principalmente, acabar com os problemas relacionados à rupturas e perdas de vendas. 

 

A efetiva possibilidade de conseguir esse êxito começa com o uso de uma ferramenta adequada para essa finalidade bem como ajustar a organização correta de seu estoque, classificando-o por “curvas A,B,C” de produtos. 

 

A classificação por curva permite a visualização dos produtos com maior rotatividade dentro da farmácia, devendo concentrar os maiores investimentos principalmente nas curvas A e B, gerando uma otimização dos recursos que foram aplicados na elaboração desse estoque. 

 

O objetivo principal de um gerenciamento é garantir um estoque ideal que consiga atender a demanda e, ao mesmo tempo, não gere altos custos com estocagem nem promova um grau de ruptura na área de venda. 

 

Isso pode ser evitado, sem maiores custos, a partir do momento que a implantação da curva A, B, C (paralelamente à uma ferramenta adequada) seja analisada frequentemente, permitindo identificar aqueles itens cuja atenção precisa ser redobrada. 

 

Além disso, a classificação de acordo com a curva, permite a visualização e a análise correta mesmo dos produtos com grandes níveis de sazonalidade, determinando a representatividade na venda e seu grau de importância em determinado período do ano. 

 

A análise correta dessa curva gera resultados que permite uma diminuição de vários problemas, pois trata a demanda do produto dentro de sua atual realidade. 

 

Outra necessidade fundamental para o gerenciamento de estoque e controle para evitar ruptura é a necessidade de se ter uma ferramenta eficaz que atenda suas principais necessidades. A falta dessa ferramenta irá ocasionar um gerenciamento por meio de bases inconsistentes, ocasionando tomadas de decisões erradas o que, com certeza, afetará o seu estoque, proporcionando rupturas ou excesso de compras, deixando o fluxo de caixa incompatível com a realidade da farmácia. 

Para se obter uma otimização dos recursos investidos em estoque, é fundamental que os proprietários e gestores fiquem atentos aos seguintes aspectos: 

Tenha um sistema informatizado que atenda as principais necessidades da farmácia de forma preventiva. Nossa ferramenta de Gestão de Indicadores faz essa prevenção.

É preciso pessoas aptas para manter um cadastramento correto dos itens dentro do sistema.

É preciso pessoas aptas para tomar decisão quando nossa ferramenta indique um possível problema futuro.

Promover a conferência do estoque da curva A e B periodicamente de acordo com as indicações de nossa ferramenta. 

É preciso ser criativo e comprometido com seus sonhos e mostrar que seus colaboradores também fazem parte deles. São esses fatores que nos levam a melhorar a cada dia. 


 

Esses são alguns passos básicos que fara com que sua gestão de estoque seja mais eficaz, proporcionando aumento nas vendas e um melhor nível de serviços aos clientes. Sucesso!